Anestesia: exames prévios diminuem riscos

22
Anestesia: exames prévios diminuem riscos

Pode ser a limpeza dos dentes ou a cirurgia que requer atenção redobrada, se o cão precisar de anestesia, o ideal é realizar exames prévios para diminuir eventuais riscos


Recentemente uma veterinária foi condenada em razão de uma tartarectomia (retirada de tártaro) que acabou gerando a morte de um poodle, o Fred, de cinco anos. O animalzinho faleceu devido a problemas causados pela anestesia, e o juiz considerou que deveriam ter sido realizados exames prévios – ao menos os de sangue- antes da médica dar sequência ao procedimento.

Nos Estados Unidos, uma Yorkshire chamada Sofie passou a sofrer com problemas de coordenação motora e cegueira também devido a complicações com a anestesia durante a castração, aos 5 meses.

Esses casos podem não ser comuns se levarmos em conta a quantidade de procedimentos que envolvem anestesia e são feitos diariamente em cães, mas um cuidado a mais nunca é exagero quando estamos falando de uma vida, certo? Especialmente se houver possibilidade  e tempo para se fazer exames prévios.

Leve Seu Cachorro conversou com dois médicos veterinários, o Dr. Eduardo Pacheco e a Dra. Verena Wallace, ambos do Hospital Veterinário Santa Inês, em São Paulo, que foram unânimes em dizer que “cães com contra indicação nos exames pré-cirúrgicos não devem ser submetidos, assim como os que possuem doença pré-existente não compensada, onde procedimento anestésico pode levar ao óbito”.

Segundo eles, exames de sangue (hemograma, ureia, creatinina, ALT, glicose, albumina, potássio), tempo de coagulação em alguns casos, eco cardiograma e ECG são de praxe. E caso o peludo tenha comprometimento respiratório, o RX também é solicitado e, dependendo da situação, outros exames mais específicos também devem ser pedidos. É preciso avaliar caso a caso.

Como funciona e como é escolhida a anestesia?A anestesia se baseia na utilização de fármacos que induzem à anestesia geral ou local ou, ainda, promovem uma sedação. A grande maioria dos fármacos são os mesmos encontrados nas anestesias utilizadas por nós, humanos. A única coisa que muda é a dosagem. Para isso, o veterinário analisa o peso, a idade, espécie, status corpóreo, exames físico, laboratoriais e cardíacos.

Tanto a anestesia injetável quanto a inalatória levam à anestesia geral. “A inalatória é mais segura, pois mantém o paciente constantemente com suprimento de oxigênio. Além disso, a recuperação anestésica é mais rápida, o que leva a uma segurança maior. Já a injetável é utilizada em procedimentos de curta duração (pequenas suturas, RX, biopsia, citologias), indução para anestesia inalatória ou quando a médica veterinária que está na sala de cirurgia está gestante”, explicam os veterinários.

Ao falar sobre a diferença entre local e geral, os doutores salientam que “há casos em que a anestesia local é suficiente para o procedimento, desde que haja uma sedação do paciente e que seja seguro para ele. Um exemplo de anestesia local amplamente utilizada é a epidural, que permite manipulações da cintura para baixo. Mas na grande maioria das vezes é utilizada a geral, pela índole do cão”.

Para evitar complicaçõesPara que os riscos sejam minimizados ao máximo, além dos exames pré-operatórios o mundo ideal também deveria contar com acompanhamento pós-cirúrgico do peludo, medição de parâmetros e, dependendo do caso, até acompanhamento em UTI. “Com isso, o paciente tende a se estabilizar logo sem maiores transtornos e pode seguir sua vida saudável, não tendo nenhuma sequela e nem vindo a óbito”, explicam os médicos. Na prática, é mais ou menos como acontece com um ser humano quando ele precisa realizar um procedimento cirúrgico ou algo semelhante.

Os veterinários também afirmam que algumas medidas também podem ser tomadas para preservar a saúde do cão e seu bem-estar geral. “Ao dono cabe levar o cão para realizar visitas periódicas ao médico veterinário, fazer a imunização, uso de dieta adequada à espécie, higiene, carinho e amor. Do veterinário cobra-se a postura ética, conhecimento teórico, dedicação e profissionalismo”, finalizam.

* Por Mariana Alves

22 COMENTÁRIOS

  1. Olá! Minha cachorra é idosa. Tem 13 anos e não pode fazer a tartarectomia devido a complicações em seus exames. existe uma outra forma para aliviar e tratar esse problema?

    Obrigada!

    • Olá Sandra, tudo bem? Converse com o veterinário. Em alguns casos dá para fazer uma limpeza nos dentes – que não é aquela 100% perfeita, com anestesia, mas ajuda -apenas usando um calmante natural, mais fraco. Fizemos isso com nosso pug e deu certo (também por conta da anestesia). Se você estiver em São Paulo, pode conversar com a veterinária da Máfia Canina ( 3064-2597), que fica no Jardim Paulista. Abços, Janaina

  2. Olá! Meu cachorro está com o olho direito fechado e, até onde conseguimos ver, está vermelho, com um película branca e soltando aquelas ‘remelinhas’. Vamos levá-lo ao veterinário, pois estamos há dois dias limpando com soro, mas não houve melhora.
    Creio que para examiná-lo será necessária sedação, pois ele não deixa mexer no olho, mas, a menos que seja necessário algum procedimento cirúrgico, não será encessária a anestesia, certo? Ou anestesia e sedação são a mesma coisa? Os veterinários aqui da região são caríssimos (Z. Oeste de SP) e não temos como pagar se ficar muito caro. Obrigada!

    • Olá Camila, pedimos para a médica veterinária Renata Oliveira, da Patripet, ajudar com a sua questão, e ela explica que às vezes um veterinário clínico geral consegue identificar o problema e tratá-lo, mas outras vezes é necessário encaminhamento para um oftalmologista. “É sempre bom lembrar que um problema tratado no começo tem maiores chances de melhora do que aqueles que recebem tratamento tardio”, diz.

      O que você deve fazer, portanto, é levá-lo para a consulta e conversar com o veterinário para avaliar as alternativas possíveis. É muito difícil fazer uma avaliação sem verificar como está o animal, mas pode nos escrever de novo se precisar de algum auxílio!

  3. Nosso veterinário (ex veterinário) nos induziu a fazer uma extração de dentes de leite em nossa cachorrinha. Recusamos na primeira vez mas na segunda ele conseguiu nos convencer. O resultado foi o seguinte, ela tinha saúde perfeita e era muito feliz.. Nos fazia companhia e alegrava nossa casa mas aconteceu um erro no procedimento cirúrgico (provavelmente na anestesia). Agora, depois de travar uma batalha pela vida (já que seus rins estava parando de funcionar) ela voltará para casa “cega”. Ela só tem 7 meses (uma criança ainda). Agora nossa casa é só tristeza. É comum ver minha esposa e minha filha chorando pela da casa. Gostaria que alguém postasse algo em que eu pudesse me apoiar e tentar ajudar de alguma forma mas não sei se o quadro é reversível. Já procurei material na internet sobre esse assunto mas não encontrei. Escrevi esse texto de madrugada pois não tenho sono devido a preocupação e a imagem mais forte que tenho nesse momento é a caminha dela com os brinquedinhos que ela não vai mais ver. Momento de muita dor no peito. Se tudo der certo ela volta pra casa amanhã e vamos cuidar mais ainda dela pois nosso amor é maior que qualquer coisa.

    • Olá Álvaro, que tristeza ler o que você colocou :-( Tenho certeza que vocês procuraram fazer o melhor, pensando no bem de sua cachorrinha, mas talvez não tenham recebido todas as informações necessárias do profissional que deveria ter pesado os prós e contras antes de convencê-los a fazer a cirurgia. Agora procurem levar em conta que os cães, ao contrário de nós, são muito mais adaptáveis às situações. Recebam a peludinha com todo amor e carinho e tenham certeza de que ela se adaptará, desenvolverá outros sentidos e continuará a brincar, enxergando ou não os brinquedos. O importarem é estarem dispostos a recebe-la com todo carinho que vocês certamente têm para dar! Repassarei a situação às veterinárias que nos auxiliam também, mas enquanto isso vejam este vídeo inspirador: O primeiro cão, um Border Collie, nasceu sem os dois olhos e consegue inclusive brincar de pegar a bolinha. A sua dona brinca, dizendo que seu outro cão, perfeito do ponto de vista da visão, não faz o que o outro faz. Por isso, havendo ou não maneiras de reverter o quadro, pensem que tudo ficará bem. Felizmente os cãos são muito mais desenvolvidos do que nós neste sentido. Ela se adaptará e vocês ainda terão muitas alegrias em família 😉
      http://www.godvine.com/Blind-Dog-Amazingly-Can-Catch-a-Ball-and-Play-Fetch-737.html

  4. Minha cachorrinha York de 12 anos está com 3 cálculos na bexiga. Já tentamos solucionar o problema com ração e medicamento, entretanto os cálculos não se dissolveram e neste caso é necessário realizar a intervenção cirúrgica. Ocorre, que ela tem colapso traqueal e bronquite. Estou muito preocupada pois o veterinário me falou que isso causa complicações para entubar o cãozinho e anestesiá-lo. Ainda para piorar a situação, ela desenvolveu uma ulcera em função do medicamento utilizado para a tratar a bronquite então os medicamento que poderiam ser utilizados para tratar o colapso traqueal não podem ser utilizados por ela. Estou muito apreensiva, e a cirurgia precisa ser realizada o quanto antes por ela está com bastante dor e dificuldades para urinar.

  5. meu cachorro, um cocker spaniel de 13 anos, precisa castrar pois esta com a prostata aumentada. mas ele toma remedio para problemas cardiacos, e tambem esta com problemas renais. a veterinaria disse q é melhor dar anestesia inalatoria. mesmo com essa anestesia ele corre muitos riscos?? e depois da castração ele vai ficar bem??

  6. Ola meu cachorro do nada travou as patas trazeira sente dor anda muito pouco e manca sente dor,ja foi medicado c/ analgésico e fez exames de sangue ta tudo ok agora vai realizar um RX p/ ver ,mas vai tomar anestesia se eu permitir to na duvida e c/ medo,isso é certo mesmo o q ele pode ter ? mas ele ta comento bem o q posso fazer p/ ele é um pitbul

  7. Olá! Boa noite!
    Estou morando em Lisboa, só volto ao Brasil em março…meu Pug ficou no Brasil com minha mãe…fiquei preocupada em trazê-lo, pois achei que a viagem judiaria dele…hoje minha mãe me ligou, disse que estava saindo sangue da boquinha dele, mais precisamente num dentinho…levou-o ao veterinário (excelente em nossa cidade (Pirassununga)) e a Dra disse que ele está com muito tártaro e por conta disso desenvolveu uma pequena úlcera…fiquei em pânico! Liguei para a Dra e ela me disse que a anestesia é mesmo preocupante, mas não há para onde fugir…pois com o tártaro ele ingere muitas bactérias que prejudicam o coração e os rins…
    Tenho muito medo da anestesia!!!!!! Pelo amor de Deus…alguém pode me dizer se esse meu medo é “demais”, ou devo ficar preocupadérrrrrrrima mesmo??? Hoje ele começou a tomar antibiótico e a minha mãe passa uma pomada…
    A única coisa a fazer é mesmo a cirurgia?????? Há alguma outra forma de tratá-lo?
    Obrigada!!!!

  8. Olá pessoal meu cachorro é um Lhasa Apso e ele tem colapso de traqueia e queria castrar ele mas tenho muito medo de ele não resistir a anestesia. eu sei que tem exames para fazer mas mesmo assim tenho muito medo de algo dar errado na hora da castração.Não sei oque fazer??
    vocês podem me ajudar??

    • Oi DAniela, tudo bem? Puxa, este medo é muito comum! A gente que ama cachorro sabe como é complicado! Só que no caso do seu cãozinho o correto a fazer é conversar com seu veterinário de confiança e levar o peludinho para ser examinado. Apenas o veterinário conseguirá fazer os exames necessários e poderá checar detalhes da saúde do cãozinho para minimizar ao máximo os riscos!

  9. Olá, boa noite. Meu cachorro tem 15 anos e tem problema cardíaco. Anteontem eu percebi que uma secreção escura estava saindo da boca dele. Pensei que fosse devido aos tártaros e, como não pude levá-lo imediatamente a um veterinário, eu dei um anti-inflamatório usado pela minha cadela anteriormente. Hoje, ao trocar o pano da cama dele, eu vi duas larvas, então fui olhar a boca do meu cachorro e já estava com miíase. O veterinário tirou as larvas e aplicou duas medicações. Disse que o melhor seria extrair todos os dentes. Eu gostaria de saber se os riscos são muito grandes, pois tenho medo dele machucar novamente a boca devido ao estado dos seus dentes e criar miíase de novo.

  10. Ola, minha cane corso de seis meses e 25 kg de acordo c o vet. FEZ ONTEM A CIRURGIA DA GLANDULA DA TERCEIRA PALPEBRA DO OLHO ESQUERDO, PELA MANHA. HOJE 24 HS DEPOIS FUI INFORMADA Q ELA TEVE 3 PARADAS CARDIO RESPIRATORIAS NA CIRURGIA…FUI VE-LA HOJE MEIO DIA E ELA AINDA ESTAVA DOPADA…O VET DISSE Q NAO É COMUM ESSA DEMORA… ELA ESTA COM OS OLHOS VIDRADOS…FAZ XIXI..E PARALIZADA..PARECEU Q RECONHECEU MEU MARIDO E TENTOU ESPREGUICAR AS PATAS…MAIS NADA DE MOV OCULARES… O OLHO OPERADO PARECE OTIMO. O Q PODE ESTAR ACONTECENDO??? ELA ESTA C ALIMENTACAO NA VEIA.
    MEU LHASA JA FOI ANESTESIADO E VOLTOU EM POUCAS HORAS.

  11. Olá. Levei minha shitzu para castrar e paguei mais caro pela anestesia inalatória. Porém ela chegou em casa e vi o pêlo raspado nas costas. Perguntei a vet e ela disse que é por conta da anestesia peridural. Mas então são duas anestesias?

  12. Minha cachorra esta com um problema de prolapso de glândula lacrimal e vai precisar de uma cirurgia no olho esquerdo , fiquei bastante aflita com esse negocio de anestesia geral e ainda mais q ela esta gestante oque eu poderia fazer?

  13. Boa tarde me chamo Gilmara tenho uma polldo de 7 anos e apareceu em uma das mamas dela um nódulo e que quando se aperta o bico da mama sai sangue a medica qe fazer a cirurgia pra retirar só que eu estou com medo do que possa acontecer na cirurgia ja que ela tem os batimentos do coração irregular um pouco lento como uma arritimia por favor me ajude oqe devo fazer ???

  14. Olá Janaina, levei minha cachorrinha de pinsher de 2 anos e cinco meses pra castrar. Ela fez os exames de sangue de pré operatório alguns dias antes e ela já havia feito um eletro e ecocardiograma a cinco meses atrás, que havia dado tudo bem segundo os veterinários. Porém, minha pequena amada teve duas paradas cardíacas na cirurgia e segundo os veterinários, a segunda foi logo no fina da cirurgia e ela não resistiu e veio a óbito, e os mesmos falaram que fazem uma eletro antes da cirurgia pra saber se estava tudo bem, e disseram que estava.
    Mandei um laboratório retirar o corpo e congelar para fazer uma necropcia para tentarmos descobrir o que houve, pois os vets não souberam explicar, disseram que estava tudo normal e que acham que ela poderia ter alguma sensibilidade por alguma substância da anestesia( que foi a inalatoria).
    Os veterinários se mostraram dispostos e nos deram o prontuário e fizeram a solicitação de necropcia que o laboratório pediu. Será que a necropcia mostra indícios de erro na aplicação da anestesia? Ainda não estou acreditando no que aconteceu… outra coisa, ela havia renovado as vacina dela de sêxtupla e raiva nove dias antes da cirurgia. Será que isso que ajudou nessa complicação?

    Desde já agradeço retorno.

    Gabriela

    • Gabriela qual o final da sua história, meu cachorro faleceu também com a anestesia e não me instruiram a fazer a necrópsia. Quero saber se posso recorrer.

  15. … Ha 3 dias faleceu a minha Shithzu com 2anos e 6 meses apos uma cirurgia de castração. Ao acordar ela deu um ataque epilético e faleceu de parada cardíaca. Ela não tinha epilepsia era uma cadelinha saudável e alegre… pelo visto ela se encaixou na porcentagem de 1 em 100mil cães que morrem assim apos anestesia… se eu soubesse nao a teria levado pra castrar mas o medo dela ter problemas no útero como varias da raça tem nos fez a levar… lembro da hora que a deixei dei um beijo na cabecinha e disse vai com Drus meu amor… ela foi embora pra nunca mais voltar.. estou chorando sem parar ha 3 dias ja tive febre desmaio vomitos… estou péssima …ela era a minha melhor amiga… estava comigo 24hs por dia andando atras de mim … muita tristeza … o medico disse que ela ja estava com infeccao avançada no útero e teria que tomar medicamentos por algum tempo apos a cirurgia… mas apos 30min que ele ligou pra dizer q estava tudo bem ele liga novamente para contar a tragedia…

  16. Oi Dênis, tudo bem? Puxa, nestes casos o ideal é levar imediatamente ao veterinário pois apenas ele saberá o que fazer! Se for o caso, deve-se procurar uma segunda opinião, um outro profissional, tá? Se precisar de algumas indicações nos avise!

Deixe uma resposta